A Valsa de Lili, faz nova temporada em São Paulo

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Depois de grande sucesso de público e crítica em sua participação na 2ª edição do projeto Dramaturgias do Sesc Ipiranga, o espetáculo A Valsa de Lili segue para a Giostri Teatro e Livraria, onde fica em cartaz de 31 de outubro a 13 de dezembro. 

Duas Déboras, uma atriz e a outra diretora, se unem para contar a história de uma mulher extraordinária, Lili, que viaja o mundo movimentando apenas a cabeça. Aimar Labaki constrói de forma delicada e emocionante a história de Lili, que vive numa UTI há quase quarenta anos, desde os 2 anos de idade, por conta de uma poliomielite mal diagnosticada. 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Lili vive em uma condição muito singular, mas seus questionamentos, medos e verdades são os mesmos de qualquer pessoa na sua idade: a necessidade de amar e ser amada, a relação com a morte, o que fazer da vida, como conseguir o sustento com o trabalho. Lili e seus amigos são uma prova viva da máxima Sartriana.

“A luta de Lili para sobreviver em condições tão adversas, sem perder o humor e o amor, são a metáfora perfeita para os dias sombrios que vivemos, entre a violência e a desesperança”, completa o autor Aimar Labaki. 

A parceria entre a diretora Débora Dubois e o autor Aimar Labaki é antiga: é de ambos os espetáculos MotoRboy Pirata na Linha, grandes sucessos para adolescentes, além de Poda ou Una Notte Intera, que Débora dirigiu para o Festival Intercity, em Florença, na Itália. Ela também já dirigiu Duboc em espetáculo com curadoria de Gianni Ratto.

Eliana Zagui, a autora do livro que inspirou a criação da peça esteve presente em uma sessão de A Valsa de Lili. “Foi para todos uma grande emoção recebê-la, pois ela se locomove acompanhada de um grande aparato que inclui ambulância, respiradores e profissionais da saúde”, conta Duboc. 

“É mais que uma peça, é mais que imaginar. É entrar numa máquina do tempo, no mais profundo inconsciente… Reviver cada detalhe com muita saudade, risada, choro e ver que valeu a pena nunca parar de dançar ao meu ritmo”, emociona-se Eliana. 

“Eu entendi que viver é um ato político. A existência de Lili é uma escolha diária. A personagem diz: Eu posso não mexer nada do pescoço para baixo, mas a minha alma nunca deixou de dançar. E como diz Suassuna: No meu entender o ser humano tem duas saídas para enfrentar o trágico da existência: O Sonho e o Riso. Isso Lili tem de sobra!”, finaliza Duboc.

SERVIÇO

A Valsa de Lili, de Aimar Labaki, direção de Débora Dubois, com Débora Duboc

Giostri Teatro e Livraria – Rua Rui Barbosa, 201, Bela Vista

Temporada: 31 de outubro a 13 de dezembro (exceto nos dias 22/11 e 06/12)

Às quintas e sextas-feiras, às 21h

Ingressos: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia-entrada)

* Meia-entrada também para portadores de deficiência e acompanhantes.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio