A Palavra da Nossa Casa | Foto: Hernani Rocha
A Palavra da Nossa Casa | Foto: Hernani Rocha

Quando estreou e janeiro deste 2020, As Palavras da Nossa Casa se propunha como uma obra inédita baseada na filmografia do cineasta sueco Ingmar Bergman (1918-2007), tomando como base títulos como Morangos Silvestres (1957), Através do Espelho (1961) e Gritos e Sussurros (1972) e, claro, Sonata de Outono (1978), considerada pelo diretor como seu melhor trabalho.

A obra, que cumpriria temporada até o dia 27 de março na Casa das Rosas, em São Paulo, precisou interromper sua trajetória graças à pandemia do novo Coronavírus que obrigou o fechamento de teatros e espaços culturais decretados na política do isolamento social e da quarentena preventiva de combate ao vírus.

Com a impossibilidade de seguir fisicamente, o Núcleo Teatro de Imersão segue agora para o universo online com a transposição da obra para temporada digital dentro da plataforma de reuniões remotas Zoom.

Com estreia agendada para o dia 18 de julho, sábado, a encenação pretende se aproximar ainda mais da linguagem de Bergman ao se valer de artifícios audiovisuais para contar a história da famosa cantora lírica Charlote, que retorna ao casarão que sua filha única divide com o marido, Victor, um pastor presbiteriano. O encontro reacende velhas mǵoas suscitadas graças à ausência da mãe em momentos cruciais na vida da filha, como quando a jovem perdeu seu único filho.

Sob a adaptação e direção de Adriana Câmara, As Palavras da Nossa Casa conta com Gizelle Menon, Glau Gurgel, além da própria Câmara no elenco. O espetáculo fica em cartaz até o dia 30 de agosto, com sessões aos sábados (21h) e aos domingos (20h). Os ingressos custam R$ 22,50 e podem ser comprados via Sympla.