Celebrando a diversidade e a existência, Inhaí volta em cartaz para curta temporada em São Paulo

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando estreou em meados de agosto de 2019 em São Paulo, a celebração cênica Inhaí – Coisa de Viado cumpriu discreta temporada no Teatro Pequeno Ato, no Centro da capital paulista e saiu de cena quando estava no ápice da repercussão idealizada pelo Coletivo Inominável quando iniciou o processo de pesquisa do espetáculo.

Contudo, o grupo, safo e hábil na administração da roda viva das redes sociais, soube manter o hype em torno do espetáculo a ponto de contar com massiva campanha para que uma segunda temporada se alinhasse o mais breve possível. Eis que, seis meses após sair de cena, o espetáculo dirigido por Cezar Zabell e estrelado por Fernando Pivotto, Alexia Twistter e Cayke Scalioni enfim retorna aos palcos para duas temporadas relâmpago.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A primeira tem início no dia 17 de março, terça-feira, quando o espetáculo sobe ao palco do Centro Cultural da Diversidade, antigo Teatro Décio de Almeida Prado, no Itaim Bibi. A temporada se estende até o dia 19, quinta-feira, quando o grupo realiza uma sessão especial com audiodescrição.

Nos dias 18 e 19, o Coletivo ministrará uma oficina dentro do Centro Cultural da Diversidade antes de, no dia 20 de março, reestrear no Teatro Alfredo Mesquita, em Santana, para quatro sessões às sextas-feiras até dia 10 de abril.

Tanto as sessões no Centro Cultural da Diversidade quanto no Teatro Alfredo Mesquita acontecem às 21h, com ingressos de R$ 15,00 (meia) a R$ 30,00 (inteira). As inscrições para a oficina dos dias 18 e 19 podem ser realizadas até o da 12 de março pelo e-mail do Centro Cultural da Diversidade (ccdiversidade@gmail.com).

Em Narrativas Viadas, o grupo pretende dividir a experiência de produção do espetáculo. “A gente vai compartilhar alguns procedimentos e metodologias que usamos na construção do espetáculo e que estamos estudando sobre teatro documentário”, conceitua o ator, diretor e um dos fundadores do Coletivo Inominável, Fernando Pivotto. “O público alvo são homens gays acima de 18 anos e a gente vai pesquisar junto com essas pessoas como transformar experiências pessoais ou coletivas em material cênico”, finaliza. A oficina é gratuita.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio