Clara Carvalho em Retratos Falantes: Uma Cama Entre Lentilhas - Foto: Divulgação
Clara Carvalho em Retratos Falantes: Uma Cama Entre Lentilhas - Foto: Divulgação

Atriz vencedora do Prêmio Shell, Clara Carvalho estreia no universo das lives teatrais uma semana após realizar (excelente) bate-papo sobre a obra do dramaturgo norte americano Tennessee Williams (1911-1983). A artista leva para o projeto #EmCasacomoSesc A Mais Forte, clássico da obra do sueco August Strindberg (1849-1912).

Sob a direção de Eduardo Tolentino de araújo e produção do Grupo Tapa, Carvalho encenará a história da senhora que, ao ver em outra mesa sua rival na carreira artística e suposta amante de seu marido, destila um monólogo ácido e intenso. A obra se tornou um dos clássicos de strindberg a ser reconhecido como um das peças mais desafiadoras para trizes ao longo dos anos.

Escrita em 1889, A Mais Forte chegou a contar com uma leitura dramática encabeçada pelo Grupo Tapa, mas nunca foi montada pela companhia carioca (há mais de 30 anos radicada em São Paulo). Essa também é a estreia do grupo comandado por Tolentino, notório resistente ao movimento dos experimentos cênicos online, às lives cênicas.

Pelo gênero já passaram nomes como Sérgio Mamberti, Denise Weinberg, Ailton Graça, Grace Passô, Matheus Nachtergaele, Jé Oliveira, Georgette Fadel, Cássio Scapin, Celso Frateschi, Ester Laccava, Gero Camilo, Bete Coelho e Cláudia Missura, entre outros.

Com mais de 40 anos de estrada, o grupo, já montou uma série de obras de Strindberg, sendo a última a delicada Brincando com Fogo, fora de cartaz antes a pandemia do novo Coronavírus, que retirou de cena o espetáculo De Todas as Maneiras que há de Amar e impedindo os ensaios e estreias de Um Picasso e Papa Highirte.

O grupo lançou então a campanha SOS Tapa, que consiste na compra antecipada de ingressos para um destes três espetáculos, que voltarão a entrar em cartaz tão logo haja fim para a crise mundial de saúde, ou na doação livre para a manutenção e sobrevivência do grupo e de seu espaço.