Com programação virtual festival Dona Ruth apresenta obras inéditas e presta tributo a Solano Trindade

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em atividade desde o último dia 07, sábado, a nova edição do festival Dona Ruth: Festival de Teatro Negro em São Paulo, a primeira festa dedicada exclusivamente ao teatro negro produzido na cidade e co título que alude à bem-vinda homenaem à memória da atriz Ruth de Souza (1921-2019), investiu neste 2020 em programação online, em compatibilidade com as necessidades de isolameto graças a panemia do novo Coronavírus.

Com 25 atividades gratuitas a edição deste ano conta com giras de conversa, um quilombo artístico pedagógico, além de espetáculos, experimentos cênicos online, performances e shows. 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Aberto co performance protagonizada por Elis Trindade e Dirce Thomaz celebrando os 45 anos do Teatro Popular Solano Trindade e os 20 anos da Invasores Cia Experimental de Teatro Negro, o Festival conta com espetáculos de nomes como a vecedora do Shell Grace Passô em parceria  Dione Carlos e Novíssimo Edgar, além de obra de Jé de Oliveira dirigida por Flávio Rodrigues e protagonizada por Aysha Nascimento.

Um dos destaques é o espetáculo Canto ao Pé do Ouvido, concebido e estrelado pela atriz e diretora vencedora do Prêmio APCA Naruna Costa. Confira abaixo a programação do Festival a partir desta sexta-feira, 13, que conta ainda com programação para crianças, homenagem a personalidades veteranas e giras de conversa em ações afirmativas:

13/11 – Sexta

19h

Conversa

Gira de Conversa – Ruth de Souza: a memória como fundamento do Teatro

Em nós, a memória de quem veio antes segue viva, e na medida em que é exposta provoca atualizações sobre os procedimentos contemporâneos de organização de formas e conteúdos cênicos. Dentro e fora de cena, as atuações de Ruth de Souza, e de tantas outras artistas negras e negros de sua época, foram determinantes para o surgimento de espaços próprios de criação e de disputa de imaginários sobre subjetividades, presenças e qualidades expressivas de pessoas negras nas artes cênicas, no cinema e na teledramaturgia. No contexto dos Teatros Negros, esta Gira trará para o centro da discussão as inquietações que atravessam o tempo e encontram no presente mais perguntas do que respostas.

Com Eliane Weinfurter e Jhow Carvalho.

Ao vivo: 13 de nov, sexta; 19h

Reprise: 16 de nov, segunda; 14h

Local: Transmissão direta do Teatro Cacilda Becker

Classificação: Livre.

90min.

21h

Experimento Cênico

Canto ao pé do ouvido

O “Canto” é de uma mulher, cantora, compositora, preta, “acordando” os sons de seus pensamentos-ventos-sopros.

Intérprete: Naruna Costa

Texto: Marcelino Freire

Músicas: Naruna Costa

Direção musical/ sonoplastia: Dani Nega

Produção: Washington Gabriel

Ao vivo: 13 de nov, sexta; 21h

Reprise: 19 de nov, quinta; 20h

Local: Transmissão direta do Teatro Cacilda Becker

Youtube/Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo

Classificação: Livre

40min

14/11 – Sábado

14h

Espetáculo Infantil

Mijiba – A boneca guerreira

O espetáculo conta a história de dois palhaços carteiros que ao se depararem com uma encomenda sem remetente, encontram algo totalmente inesperado na caixa. A partir dessa descoberta, apresentam e discutem de maneira lúdica os problemas enfrentados pelas mulheres negras na sociedade.

Concepção Geral: Trupes Liuds

Palhaço Torradinho: Valmir Cruz

Palhaço Candango: Dede Ferreira

Palhaça Gigica(Musicista): Girlei Miranda

Direção: Paula Klein

Técnico som: Denao

Ao vivo: 14 de nov, sábado; 14h

Reprise: 19 de nov, quinta; 10h

Local: Transmissão direta do Teatro Alfredo Mesquita

Youtube/Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo

Classificação: Livre

50min

21h

Experimento Cênico

A Estrangeira

Uma brasileira está soterrada numa terra estranha após um ataque aéreo. Seu marido está soterrado sob ela. Ela está grávida de oito meses. Ela não fala a língua dos homens desta terra. Sem ter meios para pedir ajuda, ela não sabe qual será seu futuro.

Dramaturgia, Direção e Sonoplastia: Daniel Veiga

Atuação: Fabiana Neves

Desenho de Luz: Leo Moreira Sá

Dramaturgista: Natália Martins

Ao vivo: 14 de nov, sábado; 21h

Reprise: 16 de nov, segunda, 20h

Local: Transmissão direta do Teatro Alfredo Mesquita

Youtube/Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo

Classificação: 14 anos

40min

20/11 – Sexta

19h

Conversa

Gira de Conversa – Tiranias da Subjetividade

A urgência pela manifestação da subjetividade e a denúncia através da fala têm sido marcas frequentes no teatro concebido por pessoas negras. Como construtores de suas próprias narrativas, são diversos os modos com que estas urgências têm sido organizadas pelos Teatros Negros, no sentido de pensar e repensar formas, técnicas, conteúdos e referências para as suas criações. Instaurando um olhar crítico sobre o assunto, essa Gira nos convida a refletir sobre as armadilhas que, no contexto de uma sociedade racista e capitalista, atravessam os processos criativos e, em dada medida, congestionam a potência cênica e os horizontes possíveis para as produções de novos imaginários a partir do teatro.

Com Leda Maria Martins e Rosane Borges.

Ao vivo: 20 de nov, sexta; 19h

Reprise: 23 de nov, segunda; 14h

Local: Transmissão direta do Teatro Cacilda Becker

Classificação: Livre.

90min.

21h

Espetáculo

Auto do Negrinho

Misturando aspectos da literatura de cordel com a sonoridade da congada, a peça conta a história de Negrinho do Pastoreio, uma criança escravizada no Sul do Brasil. O espetáculo usa máscaras e bonecões de confecção própria para propor uma reflexão sobre o genocídio da juventude negra nos tempos de hoje.

Concepção Geral: Teatro Terreira Encantado

Atores em cena: Cleydson Catarina, Augusto Iúna, Fábio Santos

Música: Augusto Iúna e Rafael Fazzion

Iluminação: Rager Luan

Direção: Cleydson Catarina

Ao vivo: 20 de nov, sexta; 21h

Reprise: 23 de nov, segunda; 20h

Local: Transmissão direta do Teatro Cacilda Becker

Classificação: 12 anos

60min

21/11 – Sábado

21h

Espetáculo

Preta Rainha

A peça mostra quatro personagens desterradas, que após uma desocupação violenta encontram-se no lugar onde moravam. Por meio da narrativa de uma das personagens, a Preta-Rainha, que é uma mulher rainha da bateria de escola de samba, o trecho que será apresentado traz à tona as questões sobre a construção violenta das políticas de embranquecimento brasileiro, o epistemicídio através das políticas de miscigenação e a objetificação e coisificação do corpo da mulher negra.

Concepção Geral: Coletivo Negro

Atuação: Aysha Nascimento

Direção: Flávio Rodrigues

Dramaturgia: Jé Oliveira

Iluminação: Marcel Alani

Apoio operacional: Pietro Nascimento

Ao vivo: 21 de nov, sábado; 21h

Reprise: 26 de nov, quinta; 20h

Local: Transmissão direta do Teatro Alfredo Mesquita

Classificação: 14 anos

40min

27/11 – Sexta

19h

Conversa

Gira de Conversa – Teatros Negros e as Presenças Negras na Cena

No compasso da história, as construções conceituais e as produções artísticas têm dinamizado a ideia de Teatro Negro. Ao mesmo tempo e, talvez, sobretudo,as transformações sociopolíticas mobilizadas pelas lutas de raça, gênero, classe, território e, ainda, os modos de fazer teatral que distanciam de si o marcador negro e assume para si, enquanto discurso cênico, a presença do corpo negro na cena, atualizam problemas antigos e apresentam novas problemáticas que tensionam as concepções histórico-político-conceituais do Teatro Negro. Nesta Gira, conversaremos sobre as complexidades e as zonas de fronteiras entre os

Teatros Negros e as produções artísticas teatrais de artistas negres.

Com Adriana Paixão e Deise de Brito.

Ao vivo: 27 de nov, sexta; 19h

Reprise: 29 de nov, domingo; 14h

Local: Transmissão direta do Teatro Cacilda Becker

Classificação: Livre.

90min.

21h

Espetáculo

Slam Blues – Vocigrafias

Neste show, a atriz-MC dissipa as fronteiras entre a palavra, a música, o improviso e o “spoken-word”, numa viagem musical em que a poesia se encontra com o teatro e o hip-hop e se une ao blues.

Atriz-MC, Dramaturgia e Direção: Roberta Estrela D’Alva

Violão e Guitarra: Daniel Oliva

Iluminação: Carolina Autran

Participação especial: Lucas Afonso

Ao vivo: 27 de nov, sexta; 21h

Reprise: 29 de nov, domingo; 21h

Local: Transmissão direta do Teatro Cacilda Becker

Classificação: Livre

60min

28/11 – Sábado

14h

Espetáculo Infantil

Contando África em Contos

A peça traz à cena as aventuras de três colhedores de contos que andam pelo continente africano alegrando as pessoas, e resgatando as mais belas

memórias. Eles narram as suas histórias vividas em Etiópia, Gana e Angola e compartilham fatos e lendas que lá viram e ouviram. Assim o trio propõe uma

pequena reflexão do que foi e do que é a África e toda sua influência pelo mundo.

Atores Contadores: Jefferson Brito e Rita Teles

Percussão: Didi Carvalho

Produção: Jefferson Brito e Rita Teles – Núcleo Coletivo das Artes

Ao vivo: 28 de nov, sábado; 14h

Reprise: 29 de nov, domingo; 10h

Local: Transmissão direta do Teatro Alfredo Mesquita

Classificação: Livre

45min

21h

Performance

Retrospectiva Preta 2020

Ativadas por memórias pretas, Grace Passô e Novíssimo Edgar narram acontecimentos ocorridos durante a mais recente volta da Terra em torno do sol.

Performers: Grace Passô e Novíssimo Edgar

Dramaturgia: Novíssimo Edgar, Dione Carlos e Grace Passô

Composições Sonoras: Barulhista

Produção: Nina Bittencourt

Direção de Fotografia: Wilssa Esser

Ao vivo: 28 de nov, sábado; 21h

Reprise: 29 de nov, domingo, 19h

Local: Transmissão direta do Teatro Alfredo Mesquita

Classificação: 16 Anos

60 minutos.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio