Todo Mundo Quer ser Dona Margarida - Foto: Jefferson Vanzo
Todo Mundo Quer ser Dona Margarida - Foto: Jefferson Vanzo

Atriz com faro aguçado e total compreensão do texto dramatúrgico, Marília Pêra (1943-2015) se sagrou em meados das décadas de 1960 e 1970 por lançar e dar guarida a uma série de novos dramaturgos do quilate de Leilah Assumpção (Fala Baixo Senão eu Grito, de 1969), Bráulio Pedroso (1931-1990) – (A Vida Escrachada de Joana Martini e Baby Stompanato, de 1971) e, claro, Roberto Athayde (Apareceu a Margarida, de 1973).

Com este último título, Pêra não apenas angariou um dos maiores sucessos de sua carreira (remontado nas três décadas seguintes com a atriz como protagonista) como também alçou seu autor para o estrelato, sendo responsável pela carreira internacional da peça, montada em mais de 20 países, entre eles os Estados Unidos, em montagem que chegou à Broadway e rendeu a atriz Estelle Parsons uma indicação ao Prêmio Tony.

Escrita por Athayde,em 1971, a obra também serviu como uma espécie de prisão para seu autor que, desde o sucesso de Dona Margarida (a carismática e autoritária professora do 3º ano primário), não conseguiu encenar um trabalho que roçasse a importância da obra, que se tornou um dos grandes clássicos modernos da dramaturgia moderna brasileira.

Pois Dona Margarida ressurge a partir deste sábado, 25 de julho com a estreia de Todo Mundo quer ser Dona Margarida (?), adaptação de Nicolas Iso (que assina o dramaturgismo) para o clássico texto de Athayde, estrelada pelo ator e diretor Abílio Tavares.

Idealizada para ganhar os palcos neste mês de julho, o espetáculo precisou ser remodelado para o universo online graças a pandemia do novo Coronavírus, responsável por fechar teatros e espaços culturais. Na adaptação, Tavares busca discutir os temas que norteiam o texto de Athayde, além de sublinhar a contemporaneidade da personagem.

A obra contará ainda com lives temáticas, discutindo assuntos voltados para a educação, o autoritarismo, o papel do professor e os conceitos educacionais cunhados pelo educador pernambucano Paulo Freire (1921-1997). A transmissão acontece no canal oficial do espetáculo no Youtube, A Dona Margarida Oficial, com sessões de 25 de julho a 25 de agosto, todas aos sábados e domingos, sempre às 19h.