Comum | Foto: Meire Ramos
Comum | Foto: Meire Ramos

Grupo formado há 15 anos no bairro de Perus, zona noroeste da capital, o Pandorama de Teatro estreia no próximo dia 30, sexta-feira, Comum, espetáculo que toma como ponto de partida a notícia de uma vala clandestina descoberta dentro do Cemitério Dom Bosco, também no bairro de Perus, aberta durante o regime de ditadura militar no Brasil, onde foram descobertas mais de mil ossadas, muitas identificadas como sendo de inimigos do regime, ou cidadãos comuns vítimas da violência do período.

A obra é formada por fragmentos de três histórias complementares. A primeira, passada na década de 1980, narra a busca de um jovem pela verdade sobre o desaparecimento de seus pais durante o regime militar. A segunda, inspirada nos coveiros do clássico Hamlet, de William Shakespeare, narra a história cômica de dois coveiros que são surpreendidos com uma tarefa anormal: cavar uma vala de tamanho desproporcional.

Por fim, o espetáculo narra a história de Beatriz Portinari e seu namorado, que se conhecem na faculdade. A peça acompanha a personagem até sua transformação em uma figura de resistência ao regime militar dentro do Movimento Estudantil, sua prisão e o nascimento de seu filho.

Comum cumpre curtíssima temporada no Sesc Belenzinho, de 30 de agosto a 15 de setembro. Sob a direção e dramaturgia de Lucas Vitorino, o elenco é formado por Filipe Pereira, Rodolfo Vetore, Rodrigo Vicente, Thalita Duarte e Wellington Candido.

As sessões acontecem de sexta-feira a domingo, às 21h30 (sextas e sábados) e às 18h30 (domingos). Os ingressos custam de R$ 10,00 (meia) a R$ 20,00 (inteira). Credenciados na rede Sesc pagam apenas R$ 6,00.