Ana Beatriz Nogueira propõe manutenção do jogo cênico em mergulho na solidão existencial de Lispector

Artista recicla dinâmica de solo literário anterior em espetáculo em São Paulo

Publicado em 17/11/2021 10:30
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando estreou, em 2019, na esteira da celebração de seus 35 anos de trajetória artística, o solo Um Dia a Menos, Ana Beatriz Nogueira subiu ao palco do Teatro PetraGold, no Rio de Janeiro, com obra em que caminhava por caminhos cênicos já conhecidos.

 A montagem, baseada em texto homônimo de Clarice Lispector (1920-1977), adaptado e dirigido por Leonardo Netto, se estruturava nas mesmas bases que o solo anterior da artista, Tudo o que eu Queria te Dizer (2010), baseado no livro homônimo editado por Martha Medeiros em 2007 com cartas fictícias que descortinavam relações conflituosas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sob a direção de Victor Garcia Peralta, o solo era estruturado de forma simples, tendo como principal foco o trabalho da artista e sua conexão com o público, surgida, inegavelmente, de seus trabalhos na TV, mas mantida pelo carisma e excelente jogo de cena que a artista sempre propôs em suas investidas cênicas.

É essa mesma simplicidade que adorna Um Dia a Menos, em cartaz em São Paulo desde o dia 06 de novembro, sábado, no palco do Teatro Renaissance, nos Jardins. A estrutura narrativa, o cenário minimalista ao extremo (uma poltrona simples, uma taça de água e um telefone) e o trabalho da atriz conectam esta obra à montagem baseada no livro de Medeiros.

Ainda que em universos diferentes, as duas produções estabelecem diálogos que fazem com que Um Dia a Menos, ainda que ótimo exercício cênico, soe como uma manutenção da proposta da obra anterior. Nogueira mergulha na melancolia do texto – um dos últimos publicados pela escritora de ascendência ucraniana e criação pernambucana – sem muletas, confiando no (bem sucedido) diálogo direto com o público.

A direção de Leonardo Netto oferece caminhos para que a plateia embarque na narrativa sem o perigo de qualquer ranço monótono. A história da mulher tomada de tédio em um apartamento vazio caminha a seu próprio tempo sem se deixar levar pelo caráter de urgência do teatro contemporâneo.

Nogueira mergulha na discussão profunda e existencialista de Lispector, ressignificada pela pandemia, sem que a crise sanitária jamais surta qualquer efeito dramatúrgico direto.

Tudo na obra converge para que as atenções se voltem à (excelente) intérprete, que consegue manter o interesse pulsante acerca de uma personagem de vida (a priori) desinteressante, até seu desfecho, a rigor, previsível.

Ainda que não ofereça grandes novidades, Um Dia a Menos é bom exercício cênico em que Ana Beatriz Nogueira volta a se pôr em risco em espetáculo que (da luz de Aurélio Simone, passando pelo figurino de Kika Lopes e a direção de Netto) presa pelo minimalismo cênico e pelo diálogo direto com o público sem subterfúgios, tendo como base um bom texto e uma grande intérprete.

SERVIÇO:

Data: 06 a 28 de novembro (sábados e domingos)

Local: Teatro Renaissance – São Paulo (SP)

Endereço: Alameda Santos, 223 – Jardins

Horário: 17h30 (sábados); 20h30 (domingos)

Preço do ingresso: R$ 35,00 (meia) a R$ 70,00 (inteira)

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio