Prejudicada pela frieza do online, A Vela é obra potente que se ressente da estrada teatral

Espetáculo se ressente de maior imersão no universo dramatúrgico proposto pelo texto de Raphael Gama

Publicado em 25/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Embora a pandemia do Coronavírus ainda esteja longe de chegar ao fim, o cenário cultural tem mostrado força e resiliência enquanto se aquece para uma volta gradual que, a bem da verdade, vem sendo ensaiada desde meados de novembro de 2020 por espetáculos como Protocolo Volpone e Simplesmente Clô

Contudo, não é difícil compreender os motivos que fizeram de A Vela, espetáculo de Raphael Gama dirigido por Elias Andreato que chegou à rede na última quinta-feira, estrelada por Herson Capri e Leandro Luna, mais uma obra do vasto cenário virtual

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Transmitido do palco do Teatro Claro Rio, no Rio de Janeiro, dentro de projeto que une a empresa mineira Usiminas com o Sesc Minas Gerais, o espetáculo segue disponível online até 03 de setembro, quando deixa a rede. 

A escolha da produção de seguir pelo caminho digital não é só compreensível, como louvável, uma vez que há dificuldades reais de manter um espetáculo em cartaz em sua plena potência enquanto ainda não há um mercado completamente aquecido e o vírus ainda suscita a adoção de medidas de isolamento e distanciamento.

Contudo, se louvável e compreensível, a opção também prejudica a obra, que chega ao palco se ressentindo de maior imersão principalmente de seu elenco. Pelo menos na transmissão que chegou à rede no dia 19 de agosto, ainda faltava entrosamento entre os atores para que a história do embate entre um filho e seu pai, separados quando o patriarca não aceita a orientação sexual de seu filho único, permita mergulhos mais profundos.

Escrito por Gama, que faz em A Vela sua primeira incursão por obra de teor mais dramático, o espetáculo percorre caminhos poucos óbvios, principalmente ao propor um jogo saudosista entre as duas figuras antagonistas. A direção de Elias Andreato percorre com delicadeza essa proposta, sem jamais apelar para o melodramático.

Ainda que não surja em cena com toda a potência que sugere, A Vela se impõe como o melhor texto de Gama, dramaturgo que busca a conexão e a comunicação direta com o público por meio de linguagem direta em histórias de relação e situação.

Ainda que peque em certo tom professoral em passagens específicas – e com desfecho pouco envolvente -, Gama investiga a relação familiar por meio de diálogos ágeis, sem jamais apelar para a comédia rasteira, se comprovando dramaturgo de fina estampa elegante.

Capri e Luna, por sua vez, caminham por registros mais óbvios. A dupla faz pouco por suas personagens, optando por interpretações quase mecânicas. E é neste ponto que A Vela se ressente de um processo de imersão mais profundo. 

O espetáculo tende a crescer uma vez que traçar caminho pela estrada teatral, entretanto, pela transmissão apresentada no dia 19 (responsável também por prejudicar o desenho de luz de Cleber Eli), A Vela dá a impressão de ser obra menor, com boa (e pertinente) que tende a crescer em cena. Quem viver….

SERVIÇO:

Data: 19 de agosto a 03 de setembro 

Local: Canal do Teatro Claro Rio, do Sesc Minas, da Usiminas e da produtora PóloBH no YouTube

Horário: 24h

Preço do ingresso: Grátis

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio