Transmitido online, In Extremis triunfa ao apostar na tríplice básica do teatro

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Peça que estreou há seis anos e, surpreendentemente, não recebeu a devida atenção do público e da crítica, In Extremis retornou à cena na noite desta terça-feira, 23, para compor a programação digital do Teatro Aliança Francesa, que, desde meados de 2020, vem realizando transmissões online de espetáculos iniciados a partir da Mostra de Repertório do Grupo Tapa.

A obra retorna aos palcos contando com a mesma equipe criativa de sua estreia há seis anos em uma das melhores transmissões do projeto encabeçado pelo teatro localizado na Vila Buarque, zona central da capital paulista, até o momento.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em In Extremis, o dramaturgo inglês Neil Barlett se inspira em um encontro verídico entre o escritor e dramaturgo irlandês Oscar Wilde (1854-1900) com uma famosa cartomante inglesa do século XIX, Mrs Robinson para imaginar o que a dupla teria tratado neste encontro que antecedeu o fatídico julgamento que levou Wilde a prisão e lhe custou sua vida.

Vivido por Flávio Tolezani, Wilde é apresentado em cena como figura de comportamento pendular entre o ceticismo e o desespero crente de quem almeja uma salvação para um trágico futuro já traçado.

Já Robinson, interpretada por Daniel Infantini, caminha pelo mesmo cenário híbrido, entre uma charlatã e uma profissional que domina a ciência exata da natureza humana, frágil e amedrontada em busca de um conforto no misticismo, ainda que mergulhados em ceticismo.

O texto de Barlett (traduzido com fluidez assombrosa por Bruno Guida, que também assina a direção), constrói um cenário de mordacidade apelando para um humor sardônico e recheado de ironia, que é desenvolvido com precisão por Tolezani e, principalmente, Infantini, que faz de sua Mrs. Robinson uma figura tão carismática quanto assustadora, resultando numa personagem fascinante e propensa a permanecer no hall de grandes personagens da dramaturgia moderna.

Infantini tem timing preciso na construção da cartomante, que movimenta a obra e, aos poucos, inveja energia no Wilde de Tolezani, que consegue construir uma imagem sóbria do escritor sem grandes arroubos interpretativos, o que ajuda a valorizar não apenas o texto, mas o desespero crescente de sua personagem.

Mérito também da boa direção de Bruno Guida, que, a despeito de precisar adaptar a obra montada há seis anos para o universo online, pôs fé no trabalho de seus atores e na qualidade do texto, promovendo apenas uma manutenção do dinamismo da encenação original, focada no diálogo e no jogo de dois atores e na beleza plástica do cenário e adereços assinados por Tolezani e Marcelo Donato, respectivamente.

Essa beleza é ressaltada ainda pelo (ótimo) figurino idealizado por Infantini e pelo desenho de luz de Aline Santini, que passeia entre a sobriedade e a densidade evitando quaisquer exageros que rivalizem com a grandiosidade proposta pela encenação.

In Extremis chega ao universo online comprovando que, a despeito da premissa simples, um grande espetáculo (online ou não) ainda se faz com a tríplice básica de elementos do teatro: um bom texto, uma boa direção e o jogo de dois bons atores que, verdade seja dita, valorizados por uma boa transmissão, possivelmente darão nova vida útil ao espetáculo que merecia mais atenção em sua temporada original.

SERVIÇO:

In Extremis

Data: 23 de fevereiro a 10 de março (terças e quartas-feiras)

Local: Teatro Aliança Francesa, São Paulo – SP

Transmitido online via Zoom

Horário: 19h

Preço do ingresso: Grátis

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio