Vigoroso, Agosto estabelece perfeito diálogo entre teatro clássico e contemporâneo

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Espetáculo que desde 2017 vem colecionando críticas unânimes
e indicações a prêmios, Agosto,
versão brasileira para August Osage
Country
, do dramaturgo norte americano Tracy Letts, cumpre nova temporada
desde a última sexta-feira, 30, no Teatro Porto Seguro, em São Paulo.

Com fôlego e vigor renovados, o espetáculo cumpre nova
temporada reafirmando a unanimidade de sua temporada de estreia em São Paulo,
em 2018, no Sesc Consolação. Nesta nova temporada, mantendo elenco intacto, Agosto soa ressignificada frente às
pontes erguidas entre o teatro clássico, passível de um elenco numeroso em
produção, geralmente, suntuosa, e o teatro contemporâneo, militante de estética
lacônica.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A encenação de Paes Leme conta, sem prejuízos, o drama
familiar composto por Letts, componente da geração de dramaturgos norte
americanos com família sobrevivente as privações da segunda-guerra mundial. E
são as características que norteiam a produção dramatúrgica desta geração que são
(muito) bem sublinhadas na versão brasileira de Agosto.

Ainda que conte com numeroso elenco formado necessariamente
por 11 atores, Paes Leme concentra sua direção no cerne dos dramas familiares
que norteiam a disfuncional família posta em cena. O diretor dá total protagonismo
ao texto e a seu excelente rupo de atores que fazem desta uma das melhores
experiências teatrais da última década

É, portanto, sintomático que eventuais contextos históricos,
apesar de altamente limitados à cultura norte americano, soem menores frente ao
embate cênico promovido pelo elenco que, sem jamais exceder a dose, se joga na
melodramaticidade sem medo.

Ainda que sugira o contrário em seu prólogo, com
interpretação fora de tom de Isaac Bernat, na pele do alcoólatra e depressivo
patriarca Beverly Weston, o espetáculo atinge os tons certos, flertando com certa
placidez dramática que só contribui para as tensões climáticas que permeiam
toda a encenação, muito bem conduzida por Guida Vianna, assumindo o papel da
matriarca Violet Weston.

Vianna é, inegavelmente, o grande destaque deste espetáculo recheado
de pontos altos. Seu jogo de cena com uma ótima Letícia Isnard é excelente, principalmente
no desfecho que jamais busca chocar ou surpreender, visto que, à medida que
cada personagem se constrói, apenas resulta inevitável.

Ao longo de três atos (sublinhados, é verdade, com menos
engenhosidade cênica), fica mais latente o excelente diálogo entre os elementos
da encenação, baseados na luz febril de Renato Machado, na ótima cenografia de
Carlos Alberto Nunes, e nos figurinos de Patricia Muniz, que, por si só, ajudam
a contar a história pregressa de cada personagem, desenvolvida, no fim das
contas, como extensões da própria matriarca.

Alicerçado na comicidade de um drama de contornos trágicos, Agosto é espetáculo de fôlego que, com visceralidade cênica, resulta um dos melhores espetáculos da década.

.

SERVIÇO:

Data: 30 de agosto a 29 de setembro (sexta-feira a domingo)

Local: Teatro Porto Seguro – São Paulo (SP)

Endereço: Alameda Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos 

Horário: 21h (sextas e sábados); 19h (domingos)

Preço do ingresso: R$ 80,00 (plateia)/ R$ 70,00 (balcão e
frisas)

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio