Dan Rosseto | Foto: Caio Gallucci
Dan Rosseto | Foto: Caio Gallucci

Nem bem finalizou a leitura de seu último texto, o poético e doído O Último Concerto para Vivaldi, o diretor, dramaturgo e ator Dan Rosseto já arquiteta a leitura para o lançamento de outro projeto. Trata-se de Aliens, texto sobre o processo de censura e cerceamento do pensamento crítico no ambiente acadêmico.

Narrando a história de seis professores de matérias ligadas à área de humanas convocados por um sistema para uma reunião de emergência, a peça propõe o pensamento da sociedade sem matérias primordiais para a sua construção, como a história, a filosofia e as línguas e literatura.

Trancados na sala, após receber a notícia de que suas disciplinas serão banidas do ensino porque o ser humano está proibido de pensar, os professores vão sendo eliminados – ou se eliminando – através de dinâmicas propostas pelo “sistema”, alterando seus instintos e tornando-se selvagens para defender suas vidas e pensamentos.

Assinando também a direção, Rosseto propõe discutir temas como a violência nos colégios, a alienação, o comportamento humano e a censura. A leitura acontece na quinta-feira, 05 de março, dentro do projeto Quinteliê, na Casa Matilde, na Vila Buarque, zona central da capital.

No elenco, Rosseto volta a trabalhar com nomes como Gustavo Trestini, Hélio Souto, Bruna Anauate, Daniel Ortega, e reúne pela primeira vez Carolina Stofella e Nicole Cordery, atrizes que se tornaram destaques populares em seus espetáculos. Stofella se destacou como a vilã Ellen do anti-musical Enquanto as Crianças Dormem, e a suburbana Dalva na encenação do diretor para Eles não Usam Black-Tie, de Gianfrancesco Guarnieri. 

Já Cordery brilhou na tragicomédia Nunca Fomos tão Felizes na pele da sardônica Simone, papel que lhe rendeu uma indicação ao Prêmio Aplauso Brasil e selecionada como uma das melhores atrizes coadjuvantes de 2019 neste portal. 

A leitura de Aliens é gratuita e acontece a partir das 19h com ingressos gratuitos.