Mario Frias - Foto: Divulgação
Mario Frias - Foto: Divulgação

Em meio a crise deflagrada hoje, 18, com a prisão de Fabrício Queiroz e a demissão de Abraham Weintraub, o governo de Jair Messias Bolsonaro (sem partido) pretende nomear o ator e apresentador Mário Frias para a Secretaria Especial da Cultura em decreto a ser publicado amanhã no Diário Oficial da União (DOU).

O nome de Frias havia se tornado uma incógnita após encontrar resistência dentro da ala ideológica do governo, que pretendia indicar outro nome para a pasta.

O ator também encontrará resistência a seu nome no Centrão. Mário Frias é o terceiro Secretário Especial da Cultura em dois anos de governo. O primeiro foi o diretor Roberto Alvim, demitido após fazer discurso com corações nazistas. A atriz Regina Duarte assumiu o cargo por três meses, e foi demitida após entrevista desastrosa a CNN Brasil, na qual minimizou as mortes e torturas durante o período de Ditadura Militar.

Ao entrar na pasta, Frias encontrará o desafio de tentar dialogar com a classe, e assumirá a pasta em meio a crise de política cultural, congelada desde o início da pandemia do novo Coronavírus.