Broadway deve retornar apenas em 2021
Broadway deve retornar apenas em 2021

Um mês após Cameron Mackintosh, um dos principais produtores de musicais do mundo, anunciar que seus espetáculos não retornarão aos palcos do West End, em Londres antes de 2021, e assim prever o retorno do polo teatral para o mesmo período, a Liga de Teatros da Broadway divulgou nota em que anuncia que nenhuma das produções previstas para cumprir temporada na avenida deverá voltar até 2021.

A decisão vem de encontro com a crise ainda sem controle da pandemia do novo Coronavírus nos Estados Unidos. “Nossa equipe está trabalhando junto às uniões teatrais e junto aos principais especialistas e maiores nomes dentro e fora da indústria para explorar protocolos para todos os aspectos de reabertura. Estamos focados em identificar e implementar as medidas necessárias que permitirão o retorno seguro das apresentações tanto para a plateia quanto para nossos trabalhadores”, diz o comunicado assinado por Charlotte St. Martin, presidente da Liga de Teatros da Broadway.

“Estamos determinados a trazer de volta às pessoas que dependem desse setor para seu sustento e a receber de volta todos aqueles que amam essa parte vital da cidade de Nova York, assim que for seguro fazê-lo. Como muitos de nós da comunidade da Broadway dizemos durante esse período, voltaremos e temos muito mais histórias para contar”, finaliza o comunicado. As informações são do Broadway World.

Antes da determinação oficial, algumas produções já haviam anunciado que não retornariam aos palcos em 2020. A primeira foi Suite Plaza, espetáculo de Neil Simon protagonizado por Matthew Broderick e Sarah Jessica Parker. Já outros, decidiram cancelar suas temporadas, entre eles o musical Frozen, da Disney.

BRASIL À DERIVA

No Brasil ainda não há um posicionamento sobre o retorno dos espetáculos e reaberturas dos espaços culturais, o que tem causado revolta de parte da classe artística. Em entrevista neste sábado, o novo secretário da Cultura, Mário Frias, não demonstrou projeto ou medidas para amparar a classe artística, e chamou o auxílio emergencial determinado pela PL 1075 (Lei Aldir Blanc) de esmola.

O Projeto de Lei tem até amanhã, 30, para ser analisado e sancionado ou vetado pelo Palácio do Planalto, caso o contrário entra em vigor imediatamente. O Presidente Jair Messias Bolsonaro (Sem Partido) ainda não se pronunciou sobre o assunto.