Associação de Servidores da Funarte divulga comunicado contra nomeação de Roberto Alvim

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Desde que foi convidado pelo ministro da Cidadania do governo do atual presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, a assumir o cargo de diretor do Centro de Artes Cênicas Funarte, o diretor teatral paulistano Roberto Alvim viu seu nome estampar as principais manchetes dos jornais e portais. O motivo foi o polêmico post em seu perfil oficial no Facebook convocando artistas “conservadores” para a formação de uma “Máquina de Guerra” ideológica.

Tal convocação resultou na divulgação de uma série de comunicados oficiais de órgãos ligados a classe artística repudiando as ações do diretor. A última, até o momento, divulgada na tarde e quinta-feira, 20, foi da ASSERTE – Associação de Servidores da Funarte. Em carta aberta, a associação se dirige ao ministro da cidadania Osmar Terra num repúdio a nomeação de Alvim para o cargo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A carta diz que a associação se viu espantada com as declarações de Alvim, que adjetivaram de “redutora” e “inaceitável” frente a uma ideologia pregada pelo diretor, também adjetivada de “primária” e “dicotômica” . O manifesto é encerrado com a denúncia do “uso do cargo público para disputa ideológica”. Procurado pela reportagem,Alvim não respondeu aos pedidos de entrevista até a publicação desta matéria. Leia na íntegra o comunicado da Associação de Servidores da Funarte:

Ao Presidente da Fundação Nacional de Artes, à comunidade das Artes Cênicas

e da arte como um todo, às cidadãs e aos cidadãos brasileiros,

A Associação de Servidores da Funarte – ASSERTE – vem a público manifestar

seu repúdio à indicação feita pelo Sr. Ministro da Cidadania, Osmar Terra, para a

direção do Centro de Artes Cênicas desta Fundação.

As recentes declarações feitas a veículos de imprensa pelo diretor de teatro

indicado para o cargo, Sr. Roberto Alvim, causam espanto. Em sua atuação, esta

instituição prima pelo respeito à pluralidade e liberdade das manifestações artísticas,

princípios coerentes com a natureza múltipla e variada das culturas que constituem a

nossa cultura nacional. Preocupa-nos, portanto, que a cruzada “conservadora” que este

senhor diz querer empreender afronte os direitos e garantias instituídos pela

Constituição Federal Brasileira, que determina: ninguém será privado de direitos por

motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política. Preocupa-nos que um

aspirante a cargo público manifeste intenção de favorecimentos ou discriminações desta

ordem (prática jamais observada na atuação da Funarte em toda a sua história) e que

afronte o objetivo primeiro do Plano Nacional de Cultura: o de reconhecer e valorizar a

diversidade cultural brasileira.

Gritante é o reducionismo da compreensão de Arte manifestada pelo Sr. Alvim

em suas declarações, atribuindo valores ao que chama de “arte de esquerda” e “arte de

direita”, convocando profissionais de teatro que se alinhem aos valores conservadores

para a criação de “uma máquina de guerra cultural”. É inaceitável que uma perspectiva

tão redutora sobre o fazer artístico, que o circunscreve a uma disputa ideológica

primária, dicotômica, se sobreponha à finalidade institucional e republicana da

Fundação, de implantação de políticas públicas democráticas, inclusivas e estruturantes

para o setor artístico.

Dessa forma, compartilhamos das preocupações manifestadas por outras

entidades do setor teatral, como a Associação de Produtores de Teatro do Rio de Janeiro

(APTR), a Associação de Produtores Teatrais Independentes (APTI), a Associação dos

Produtores de Espetáculos Teatrais do Estado de São Paulo (APETESP) e Cooperativa

Paulista de Teatro, e denunciamos o uso de cargo público para disputa ideológica,

prática especialmente danosa na esfera das políticas públicas para as Artes, que têm na

garantia da liberdade de expressão e da diversidade artística seus princípios basilares.

Associação de Servidores da Funarte – ASSERTE

Rio de Janeiro, 20 de junho de 2019

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio