Iacov Hillel - Foto: Divulgação
Iacov Hillel - Foto: Divulgação

Saiu de cena na madrugada desta terça-feira, aos 71 anos de idade, o diretor e iluminador Iacov Hillel (1949-2020). O profissional lutava contra um câncer no fígado.

Radicado no Brasil desde 1955, o profissional – nascido na cidade de Haifa, em Israel – Hillel estudou com nomes como Eugênio Kusnet (1898-1975) e Augusto Boal (1931-2009), tendo participado, como ator, de obras do quilate de Morte e Vida Severina (1965), Hamlet (1969) e Servidor de Dois Amos (1971).

Como diretor, assumiu a encenação de obras como Assunta do 21 (1971), Vem Buscar-me que Ainda sou Teu (1979), O Casamento do Pequeno Burguês (1981), Angels in America (1995), A Aurora da Minha Vida (2000), Hair (2004) e Ópera do Malandro (2005), entre outros títulos. Em 1982, pelo conjunto de sua obra, recebeu o Prêmio Molière, então a honraria máxima do teatro nacional.
Hillel trabalhou com nomes como Ruth Escobar (1935-2017 – em uma das últimas aparições da artista em cena), Wanda Kosmo (1930-2007), Fauzi Arap (1938-2013) e Chico Buarque de Hollanda.

Como iluminador, construiu parceria longa com o Grupo Galpão e com companhias de dança e ópera de São Paulo, tendo recebido o Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) como Diretor de Dança em 1975, pelo espetáculo Isso ou Aquilo, de Marilena Ansaldi e Emilie Chamie.