Elenco de Homens no Divã dá mau exemplo ao driblar exigências da OMS em live

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Pouco mais de um mês após a polêmica live realizada pela dupla de cantores sertanejos Jorge e Mateus, na qual os artistas driblaram as regras de isolamento social com aglomeração de público e profissionais (garçons e pessoas da limpeza) pagos por patrocinador, outros casos de maus exemplos começam a surgir, inclusive na classe teatral.

Realizada no último sábado, a live do Teatro D. comandada por Darson Ribeiro, com as participações de Guilherme Chelucci e  Olivetti Herrera, foi um destes casos. Realizando um bate-papo sobre o espetáculo Homens no Divã, baseado em Desesperados, de Miriam Palma, sob a direção do próprio Ribeiro.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No bate-papo, o trio de atores escolheu não utilizar as máscaras que vem sendo incansavelmente divulgadas como meio de contenção ao novo COVID-19 (Coronavírus) para aqueles que não podem ficar em isolamento. 

O ato de abrir o teatro – localizado dentro do supermercado Extra Itaim Bibi – também já ressoa temerário frente ao momento em que teatros e espaços culturais vem se mantendo fechados em respeito às determinações da Organização Mundial da Saúde.

Disponível no perfil oficial do Teatro, o vídeo da segunda parte da live na qual o grupo de atores realiza uma das cenas do espetáculo, com direito a desenho de luz sugere a presença de outras pessoas além do trio no espaço que, mesmo tomando os cuidados devidos (espera-se) soa estranhamente desnecessário e mesmo imprudente num momento em que mesmo conversas mais ambiciosas – como as realizadas pelo produtor Eduardo Barata em nome da Associação de Produtores do Rio de Janeiro (APTR) – tem sido realizadas remotamente.

Embora boa, a ideia de dissecar os processo de um espetáculo pode ser realizada de forma remota, a exemplo o ótimo bate-papo encabeçado por Mel Lisboa e Márcio Macena para expor o processo de criação do musical Rita Lee Mora ao Lado, divisor de carreiras na carreira da atriz que, depois, afinou os laços com a rainha do rock, participando, também remotamente, de live comemorativa dos 40 anos de lançamento do álbum Rita Lee, ponto de maturação da parceria da cantora com o músico Roberto de Carvalho.

É, portanto, um mau exemplo o encontro de atores durante um momento em que o discurso para que não se “fure” a quarentena de prevenção ao coronavírus ganha força, principalmente em São Paulo, onde o contágio é o maior e mais letal, e o número de isolamentos cai vertiginosamente. Não é esse o papel da arte.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio