Sesc São Paulo - Foto: Divulgação
Sesc São Paulo - Foto: Divulgação

Projeto idealizado pela rede Sesc São Paulo durante o avanço do isolamento social para a contenção do novo Coronavírus, #EmCasaComoSesc iniciou série de adaptações de solos para o universo online e contou com um time formado por nomes como Sérgio Mamberti, Gero Camilo, Denise Weinberg, Lavínia Pannunzio, Bete Coelho, Ailton Graça,Grace Passô, Jé Oliveira, Georgette Fadel, Ester Laccava, Gustavo Gasparani e Cacá Carvalho.

Com as exibições dos espetáculos – uma encenação feita para a câmera – a rede alcançou o total de 39 mil visualizações, número que, embora pequeno frente ao montanha de visualizações geralmente colecionadas em lives de artistas ligados ao mercado da música na roda viva do mundo virtual, não deixa de ser impressionante para mercado geralmente pouco relacionado ao universo online.

Estas 39 mil visualizações, é bom salientar, representam realidade fugaz, uma vez que uma pessoa que entra numa transmissão ao vivo nem sempre permanece até o final, como seria de praxe (mas não obrigatório) um espetáculo encenado no teatro.

Contudo, ao retratar apenas uma sessão por espetáculo no perfil oficial da Rede Sesc, não vinculado aos perfis dos artistas contratados, o montante de 39 mil visualizações é impressionante, visto que, à risca, se trataria de número impensável pela soma de apenas uma sessão de cada um dos 12 solos selecionados até o momento.

É cedo ainda para vislumbrar qualquer transição deste público do universo online para o mundo real num retorno, ainda que a longo prazo do setor teatral ao mundo físico pós-pandemia. Contudo, não seria ingênuo imaginar que a transposição da arte teatral – dramaturgia, direção e linguagem – para o mundo virtual ajudará a reavaliar a relação da plateia com o teatro. Quem viver…