Levando fé em um novo começo, Amanda Acosta tira do baú composição inédita da adolescência

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Cantora que iniciou carreira aos seis anos de idade ao adentrar o grupo Trem da Alegria, substituindo o então fenômeno infantil Patricia Marx, Amanda Acosta se tornou um dos raros casos da artista mirim que conseguiu fazer a transição para o mercado adulto sem sobreviver das glórias do passado de fama.

Apostando na seara dos musicais, a artista se tornou uma das atrizes mais requisitadas do teatro paulistano, tendo protagonizado obras como My Fair Lady (2007), Vingança – O Musical (2014), O Primeiro Musical a Gente Nunca Esquece (2015) e os consagradores Bibi – Uma Vida em Musical (2018), Carmen – A Pequena Notável (2019) e As Cangaceiras, Guerreiras do Sertão (2019) colecionando prêmios e indicações.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Inspirada pelo momento delicado da quarentena preventiva de combate ao novo COVID-19 (Coronavírus), Acosta tirou do baú No Jardim das Grandes Fadas, canção autoral de tom otimista composta pela artista aos 16 anos de idade. Inédita para os ouvidos dos fãs da atriz e cantora, a canção foi apresentada em vídeo publicado nas redes sociais de Acosta como uma mensagem de otimismo em tempos de pandemia.

Confira abaixo a letra da canção e assista o vídeo no qual Acosta é acompanhada apenas de seu (fluente) violão:

No Jardim das Grandes Fadas

Em cada rosto um sonho

Em cada gesto, uma palavra

A cada sol, um novo dia

A cada dia, um novo começo

Em cada canto da cidade, um corpo

Em cada canto do meu quarto, um conto

Vivo em sonhos

Entro em casas que não conheço

Falo com tanta gente

Que somem de repente

Vejo flores de bronze, ouro e prata

Crescerem no jardim das grandes fadas

Em cada entrada, uma saída

A cada adeus, uma lágrima

Ou uma alegria

A cada atraso, uma agonia

A cada fila, uma espera que irrita

Em cada canto da cidade, um corpo

Em cada canto do meu quarto, um conto

Vivo em sonhos

Entro em casas que não conheço

Falo com tanta gente

Que somem de repente

Vejo flores de bronze, ouro e prata

Crescerem no jardim das grandes fadas

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio