Nos dez anos da morte de José Saramago, relembre o diálogo do romancista com o teatro

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando saiu de cena em 2010 aos 88 anos de idade, o romancista português José Saramago já havia construído monumental obra literária que lhe rendeu, além de sucesso e reconhecimento a nível mundial, um Prêmio Nobel de Literatura e centenas de outras honrarias ao redor do mundo

O escritor também se aventurou pelo teatro, escrevendo obras como A Noite, Que Farei com Este Livro?, A Segunda Vida de Francisco de Assis, In Nomine Dei e Don Giovanni ou O Dissoluto Absolvido, todos já publicados, mas ainda inéditos em palcos brasileiros.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Embora não se considerasse como um dramaturgo, Saramago construiu romances facilmente levados para o teatro. Foi o que aconteceu com obras como O Evangelho Segundo Jesus Cristo (1991), adaptada por Maria Adelaide Amaral e montada em 2001 em São Paulo sob a direção de José Possi Neto, com Eriberto Leão e Maria Fernanda Cândido nos papéis de Jesus Cristo e Maria Madalena.

No mesmo 2001, O Conto da Ilha Desconhecida (1997) ganhou adaptação infanto-juvenil assinada por Marcelo Lazzaratto e sua Cia Elevador Panorâmico de Teatro, com o título de A Ilha Desconhecida que permaneceu em cartaz no Teatro Cultura Artística e no lendário TBC, ambos em São Paulo.

Com o tempo, outras obras baseadas ou adaptadas dos títulos de Saramago surgiram nos palcos tupiniquins, entre eles O Barqueiro ou O Ensaio Sobre a Liberdade Solitária, de 2017, baseado no mesmo O Conto da Ilha Desconhecida e apresentado em Curitiba durante a Fringe do Festival de Curitiba. No mesmo ano, em Salvador, o conto recebeu nova adaptação infanto-juvenil.

Já em 2019 foi a vez do romance Ensaio Sobre a Lucidez (2004) ganhar os palcos em São Paulo da Cia. da Revista sob a direção de Fernando Nitsch. Com texto assinado por Marcos Barbosa (e dramaturgismo de Gustavo Assano), o elenco foi formado por Adriano Merlini, André Maia, Edgar Bustamante, Gisele Valeri, Luiza Torres, Paulo Vasconcelos e Priscila Esteves.

A obra de Saramago ainda deverá inspirar adaptações de títulos como O Homem Duplicado (2002, anunciado para ganhar, em 2017, sua primeira adaptação para os palcos na Espanha) e Memorial do Convento (1982), sob a direção de Dan Stulbach.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio