Prêmio Bibi Ferreira recebe críticas online por única premiação a atriz negra

Letícia Soares foi a única artista negra premiada em noite com nove indicações a artistas pretos

Publicado em 21/10/2021 18:00
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A oitava edição do Prêmio Bibi Ferreira, na noite de ontem, 20, causou furor nas redes sociais ao ser transmitido através do canal oficial da premiação e da plataforma #CulturaemCasa, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa de São Paulo.

Com torcidas divididas entre duas grandes produções do teatro musical, Escola do Rock e Chaves, Um Tributo Musical, vencedores de cinco estatuetas cada, o prêmio recebeu uma enxurrada de críticas pelo fato de, entre os indicados, haver nove artistas negros e apenas um sair vitorioso.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nas redes, as críticas ao prêmio relembram o fato de, em edições anteriores, não haver artistas negros entre os indicados, no queo idealizador e produtor do projeto, Marllos Silva, sempre declarou que para serem indicados, os artistas negros precisariam estar escalados nos elencos, portanto os produtores precisariam se mexer.

Com a estreia de A Cor Púrpura – O Musical, espetáculo de Marsha Norman, Brenda Russell, Allee Willis e Stephen Bray sob versão de Artur Xexéo (1951-2021) e direção de Tadeu Aguiar com elenco integralmente negro, esperava-se que houvesse reconhecimento para o trabalho, inegavelmente um dos melhores musicais do ano de 2019, quando chegou ao palco do Teatro Net São Paulo, na Vila Olímpia.

Contudo, das nove indicações, a obra saiu com apenas um prêmio, o de Melhor Atriz para Letícia Soares, que celebrou sua história e a história de seus companheiros em cena ao receber o troféu por sua excelente Celie.

Nomes como Maurício Xavier (indicado a Melhor Ator por Madagascar – Uma Aventura Musical), Analu Pimenta (indicada a Melhor Atriz Coadjuvante por A Cor Púrpura – O Musical), Alan Rocha e Sérgio Menezes (ambos indicados a Melhor Ator Coadjuvante, também por A Cor Púrpura – O Musical), Isabel Fillardis (indicada a Melhor Atriz Coadjuvante por Dona Ivone Lara – O Musical), Larissa Noel (indicada a Revelação por Dona Ivone Lara – O Musical) e Elísio Lopes Jr. (indicado a Melhor Roteiro Original também por Dona Ivone Lara – O Musical) saíram de mãos abanando da cerimônia.

Embora as críticas das redes sejam válidas, é preciso lembrar que em sua última edição, Elza – O Musical saiu vitorioso com cinco estatuetas, ainda que, estranhamente, tenha perdido o principal prêmio da noite – o de Melhor Musical – para a enfadonha remontagem brasileira de O Fantasma da Ópera (ainda que, verdade seja dita, nenhum musical brasileiro jamais tenha levado a estatueta).

Narrando a vida da cantora Elza Soares, o espetáculo não só foi o principal musical daquele ano, como também sagrou Larissa Luz como vencedora, fazendo com que o Prêmio, na cerimônia de 2021, realizasse feito inédito: o de premiar duas artistas negras em duas edições seguidas.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio