Theatro Municipal de São Paulo - Foto: Ricardo Kleine
Theatro Municipal de São Paulo - Foto: Ricardo Kleine

É inegável que, desde que a pandemia do novo Coronavírus instaurou quarentena preventiva fechando teatros e espaços culturais, a Secretaria Municipal da Cultura de São Paulo foi um dos órgãos que melhor trabalhou para tentar manter a classe artística em plena atividade, fosse com o lançamento de editais pensados especialmente para o período, fosse com a contratação de lives cênicas – realizadas como ação de movimento das redes sociais dos teatros municipais da cidade.

O órgão agora dá novo passo com o anúncio do Festival Palco Presente, uma espécie de pré-retomada das ações culturais nos equipamentos públicos. Orquestrado pelo diretor e coordenador da rede de teatros Pedro Granato, o evento visa realizar uma série de lives cênicas em cerca de 70 teatros públicos sem a presença do público.

A ideia de Granato é transportar das casas dos artistas para os palcos as propostas de lives cênicas que, junto a onda do teatro digital, vem tomando forma como principal meio de sobrevivência artística – e, em alguns casos, financeira – de atores, músicos e da classe de um modo geral.

O Festival Palco Presente abrirá os teatros para que os espetáculos sejam realizados com o aparato técnico necessário, e sejam transmitidos através das redes sociais dos equipamentos públicos.

Enquanto ainda não há a permissão para que o público retorne aos espaços culturais – agendada apenas para 27 de julho, de acordo com decreto anunciado pelo governador de São Paulo, João Dória Jr. (PSDB) -, uma instalação com balões, assinada pela artista plástica Flávia Junqueira, tomará o lugar do público na plateia.

A Secretaria Municipal da Cultura abrirá ainda edital para selecionar os espetáculos que se apresentarão na rede de teatros. Serão selecionados monólogos e duos teatrais.