Regina Duarte em reunião com Jair Bolsonaro - Foto: Divulgação
Regina Duarte em reunião com Jair Bolsonaro - Foto: Divulgação

Um dia após a demissão de Regina Duarte do cargo de secretária especial da cultura (para assumir cargo na Cinemateca, em São Paulo) a pasta, antes gerida por Roberto Alvim, foi efetivada como braço do Ministério do Turismo.

A ação esperava aprovação desde novembro de 2019, e a transição se concretizou com a publicação no Diário Oficial da União (DOU) do decreto de número 10.359 na manhã desta quinta-feira, 21.

A decisão acontece poucos dias antes do ator Mário Frias aceitar o convite do Presidente Jair Messias Bolsonaro (Sem Partido) para substituir Regina Duarte na pasta.

Com a transição, a Secretaria Especial da Cultura deixa de ser um braço do Ministério da Cidadania, e passa agora a responder ao ministério comandado por Marcelo Álvaro Antônio, que em abril assinou a nomeação da blogueira Monique Aguiar para coordenar no Rio de Janeiro o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

De acordo com a coluna de Guilherme Amado, na Revista Época, Monique Aguiar não possui o currículo exigido pelo cargo. A despeito de se declarar nas redes sociais formada em turismo, Aguiar não teria curso superior completo.