Sem se vender pelo riso, Eduardo Martini estreia online com Mostra de repertório e comédia inédita

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quando 2020 rompeu no horizonte, Eduardo Martini já tinha uma agenda cheia de projetos que pretendia pôr em prática até meados do segundo semestre. O ator, diretor e produtor assumiu a direção artística e curadoria do Teatro União Cultural e preparava uma turnê por algumas capitais do Brasil, além de iniciar a pré-produção de três espetáculos inéditos, entre eles Simplesmente Clô, no qual realizaria o antigo desejo de dar vida nos palcos ao amigo Clodovil Hernandes (1937-2009).

A pandemia do novo Coronavírus, contudo, bagunçou o planejamento do ator ao congelar o mercado cultural e fechar teatros ao redor do mundo. Após período de reclusão, entretanto, o ator iniciou movimento através das redes sociais, sua principal arma de conexão com o público.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em poucos meses, levou para as redes uma de suas personagens mais icônicas, a socialite Neide Boa Sorte que se tornou uma espécie de cronista do cotidiano, com histórias e comentários ácidos sobre os dias de confinamento e marcou o início de um híbrido entre teatro e mídias sociais, rendendo ao ator mais de 4 mil seguidores em semanas.

“Foi tudo muito natural. Comecei a fazer vídeos da Neide e vídeos como Eduardo, falando sobre a importância das empresas investirem em cultura e não em números, citando o caso da blogueira [Gabriela Pugliesi], de como seria a pandemia sem a cultura, enfim. Eu já tinha feito de tudo no começo da pandemia e resolvi fazer graça”, conta. A graça foi a websérie Os Barbosa, escrita e co-estrelada por Regiana Antonini e Stephano Matolla que se tornou sucesso de público e arregimentou a participação especial de nomes como Ângela Vieira e Totia Meirelles, entre outros projetos virtuais.

Agora, Martini chega enfim ao teatro digital com a estreia do Mês da Comédia, uma mostra dos trabalhos mais recentes de sua carreira que estreia amanhã, 27, com transmissão via Zoom. Na programação, o ator apresenta desde o solo Neide Boa Sorte – Manual de uma Cinquentona Atrevida até a comédia Uma Lágrima para Alfredo, escrito e co-protagonizado por Raphael Gama, e que rendeu a Martini a segunda indicação ao Prêmio do Humor, que levou em 2019 pelo conjunto de seus 40 anos de carreira.

Com quatro espetáculos – um por semana – o ator atende à tendência de países europeus. “Lá os teatros estão voltando e dando preferência para monólogos e peças de até duas pessoas. Como eu tenho seis monólogos ficou fácil escolher”, garante Martini que, aproveitando o momento, põe em cena a comédia inédita A Vida é Sua, a Norma é Nossa, de Anderson Dy Souza.

Na obra, o ator dá vida a Norma, que, confinada, usa o telefone para conversar com amigos e vizinhos e, entre um e outro gole de bebida, confunde histórias e fofoca,  se envolvendo numa teia de confusões. A peça é um típico vaudeville adaptado para os tempos de pandemia.

“Eu queria dar uma virada, queria que tivesse uma surpresa. É um texto que está comigo desde o ano passado, e eu decidi arriscar. Quero arriscar estrear uma comédia sem ter a ração direta do público, sejam gargalhadas, sejam vaias”, diz.

A falta da presença física do público, contudo, não assusta o ator, que vê o desafio com certa naturalidade “Eu fiz muita televisão com o Chico Anysio (1931-2012) [Escolinha do Professor Raimundo] e fiz uma novela inteira com a Dercy Gonçalves (1907-2008) [Deus nos Acuda, de 1992], então eu acho que me acostumei um pouco a não ouvir a risada do público, mesmo porque eu morro de medo de me vender por uma piada, por uma gargalhada. Eu tomo muito cuidado com o público e com a qualidade daquilo que eu tô apresentando. Não me vendo por uma piada, mas quero que o público se divirta”.

“Quem trabalhou tanto com comédia na TV como eu, que passei oito anos com o Chico Anysio, um ano com a Dercy, depois cinco anos com a Hebe Camargo (1929-2012) e mais cinco anos com a Adriane Galisteu, sabe que trabalhar com a câmera e não ter o resultado direto exige uma seriedade e um comprometimento muito grande com qualidade, que é o que eu mais quero na minha vida profissional”, diz.

Toda essa confiança, no entanto, não passa de imagem. “Na verdade, eu tô em pânico”, ri. O Mês da Comédia tem estreia nesta quinta-feira, 27, com transmissão via Zoom. O primeiro espetáculo será o clássico Neide Boa Sorte. Na semana seguinte, também na quinta-feira, 03, o ator apresenta Uma Lágrima para Alfredo e, no dia 10, a comédia Papo com o Diabo, de Bruno Cavalcanti, que marcou o início da parceria do ator com Elias Andreato.

A Vida é Sua, a Norma é Nossa estreia no dia 17 de setembro. Os espetáculos cumprem sessões sempre às 21h com ingressos de R$ 15,00 (meia) a R$ 30,00 (inteira).

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio