Técnicos de São Paulo repudiam fala de Joice Hasselmann sobre qualidade de trabalho da classe

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Movimento SOS Técnica SP, formado por profissionais da área técnica teatral da cidade de São Paulo, lançou hoje, 13, nota oficial na qual repudia as declarações da candidata do PSL à Prefeitura de São Paulo Joice Hansselmann sobre a qualidade do trabalho da classe durante o último debate antes das eleições municipais, transmitido pela TV Cultura na noite de quinta-feira, 12.

Durante o debate, a candidata alegou não haver técnicos de qualidade na cidade e que as produções precisavam “importar” profissionais do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul para as temporadas de seus espetáculos. A opinião da candidata já havia sido divulgada durante entrevista no podcast Cortes do Flow, com transmissão também no Youtube (veja aqui).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Confira na íntegra a nota de repúdio do movimento que, durante a pandemia do novo Coronavírus, realizou ações de arrecadação de fundos para tentar auxiliar os profissionais da área técnica afetados pelo congelamento do mercado cultural:

Nós do Movimento SOS Técnica SP recebemos com grande indignação as declarações feitas pela candidata a prefeitura da cidade de São Paulo Joice Hasselmann sobre a atuação e formação de profissionais técnicos em artes cênicas, eventos e demais espetáculos de entretenimento na qual a mesma afirma que em São Paulo não existem trabalhadores qualificados nesse setor. É notável o despreparo e a desinformação revelados no comentário da candidata, como trabalhadores organizados e que querem combater notícias falsas e a desinformação trazemos argumentos que propõem contrário. 

O SATED-SP, por exemplo, estima um número de 15 mil profissionais técnicos no Estado de São Paulo. Existem diversas entidades representativas e sindicatos que podem legitimar a existência desses trabalhadores através de registro profissional e ainda salientamos a existência de diversos profissionais que atuam na informalidade, o que não anula a qualificação do mesmo.

Entendemos e valorizamos os processos formativos e lutamos para que se ampliem. Porém, existe também um processo empírico de formação e aprendizagem na prática, passadas de geração em geração, pelo qual nossos grandes mestres, premiados e reconhecidos no Brasil e no mundo, se formaram e seguem formando novos profissionais.

Concluímos que a fala no geral propõe um pensamento desvalorizante e que invisibiliza ainda mais o trabalhadores técnicos de São Paulo e demonstra uma total falta de conhecimento do funcionamento da máquina cultural da cidade, sem falar do estado e do país.

A campanha da candidata foi procurada para comentar o caso, mas não se manifestou até a publicação desta nota.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio