Zuza Homem de Mello - Foto: Divulgação
Zuza Homem de Mello - Foto: Divulgação

A saída de cena de Zuza Homem de Melo (1933-2020) na noite de ontem, 04, vítima de um infarto agudo do miocárdio, deixou a cultura popular órfã não apenas de seu maior musicólogo e historiador musical, mas também – e principalmente – de um dos maiores entusiastas do mercado da cultura das artes nos últimos 60 anos.

Mello, mais do que um entendedor da gênese da música popular, era também um dos maiores fãs da arte produzida no Brasil por brasileiros. Ciente da força da palavra e da necessidade de encontrar todas as formas possíveis de levar a história da música para o maior número possível de pessoas, o escritor também se entusiasmava com as possíveis adaptações de seus livros para outras mídias, como a TV, o cinema e os palcos.

E era justamente este o desejo do autor, que, ao finalizar a biografia de João Gilberto Prado Pereira de Oliveira (1931-2019), a ser lançada em 2021 pela Editora 34, via a possibilidade de a obra inspirar a montagem de um musical em homenagem ao papa da Bossa Nova. Embora a ideia já tenha sido aventada ao longo dos últimos anos, nunca houve uma concretização de um espetáculo teatral baseado na luminosa trajetória do autor da batida diferente.

Com o livro que deixou pronto, Zuza esperava que houvesse ali material capaz de inspirar produtores e dramaturgos a se debruçar sobre a mítica história do homem que revolucionou a música brasileira, gerando o que conhecemos hoje. Quem viver…

Zuza Homem de Mello e João Gilberto - Foto: Divulgação
Zuza Homem de Mello e João Gilberto – Foto: Divulgação