Driblando irregularidades da matriz, Pacto se impõe graças a afinação de elenco e direção

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A premissa da dúvida se a história de um crime cometido a
sangue frio na Chicago da década de 1920 poderia render um bom musical foi um
dos pilares da divulgação de Pacto – A História
de Leopold & Loeb
, musical dirigido por Zé Henrique de Paula que
cumpriu concorrida temporada em 2018, em São Paulo.

A verdade é que não, a história dos assassinos Nathan
Leopold e Richard Loeb que, após alguns pequenos delitos, decidem assassinar um
jovem garoto de 14 anos de idade, escolhido a esmo, não tem a mesma força, por
exemplo, de Chicago, musical de Bob
Fosse, John Kander e Fred Ebb que traz uma temática parecida: um crime cometido
a sangue frio na Chicago da mesma época.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

E muito do problema estão nas músicas do norte americano Stephen
Dolginoff, que não estão, como na história de Velma Kelly e Roxie Hart, a
altura da história de Leopold e Loeb, a dupla de jovens assassinos que se acreditavam
acima das leis graças a uma interpretação equivocada da obra do filósofo alemã Friedrich
Nietzsche.

É, portanto, impressionante o trabalho em cartaz as quartas
e quintas no Teatro Opus, no Shopping Villa-Lobos, na zona oeste da capital. Em
Pacto – A História de Leopold & Loeb
a dupla de atores Leandro Luna e André Loddi e o diretor Zé Henrique de Paula injetam
vigor que faz da versão brasileira um espetáculo maior do que a obra original
de Doliginoff faz supor.

Luna, na pele de Leopold, constrói personagem crível que
cresce no final comprovando um excelente jogo dúbio construído pelo ator, que
cresce na caracterização de sua personagem mais velha, mas também extrai bons
momentos da versão jovem de seu Leopold que após 30 anos de prisão, confessa as
motivações do crime em busca de liberdade condicional.

Já Loddi angaria no espetáculo um dos melhores desempenhos
de sua carreira em musicais. Na pele do sociopata Richard Loeb o ator constrói
com minucia tanto os trejeitos quanto a modulação de voz de uma interpretação
baseada no olhar.

Mérito também da direção minuciosa de Zé Henrique de Paula.
O diretor, ao lado da preparadora Inês Aranha, conduz a dupla de atores por
quadros nada óbvios, e triunfa ao focar a encenação no trabalho da dupla, que,
valorizados pela (ótima) luz assinada por Fran Barros e pelo cenário funcional
assinado pelo próprio diretor. A direção musical de Guilherme Terra faz o que
pode frente ao fraco material original, mas consegue extrair bons momentos para
sublinhar as tensões deste thriller musical que, sem as canções, sem dúvidas
renderia ainda mais.

Contudo, a despeito de qualquer irregularidade da matriz, Pacto triunfa justamente por deixar de lado o que menos importa (a música) dando enfoque principal naquilo que de fato sustenta este musical (elenco e texto) de dramaturgia sólida e elenco irrepreensível, sob uma direção afinada com as necessidades de um espetáculo construído de forma artesanal.

SERVIÇO:

Pacto- A História de Leopold & Loeb

Data: 03 de julho a 01 de agosto (quartas e quintas)

Local: Teatro Opus – São Paulo (SP)

Endereço: Av. das Nações Unidas, 4777 – Shopping Villa Lobos – Alto de Pinheiros

Horário: 21h

Preço do ingresso: R$ 70,00

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio