Heloísa Périssé e Zezé Polessa estreiam nas lives com adaptação de solos apresentados diretamente do teatro

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Prática até então impensada há um mês, quando a pandemia do novo Coronavírus atingia picos de contaminação e mortes, a abertura de teatros e espaços culturais parece, de alguma forma, voltar a ser uma realidade no cenário brasileiro.

Ainda sem poder receber o público como ação para evitar aglomerações e não contribuir com a disseminação do vírus, teatros têm disponibilizado seus palcos para apresentações esporádicas em uma série de projetos de lives cênicas, entre eles o Teatro Já, sob a curadoria de Ana Beatriz Nogueira, no Teatro PetraGold, e, agora, o Teatro Claro Rio, em Copacabana, que receberá o Palco Instituto Unimed BH em Casa, que apresentará três monólogos transmitidos pelos canais e perfis oficiais do Sesc Minas e do próprio Claro Rio.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O primeiro será Os Vilões e Shakespeare, protagonizado por Marcelo Serrado sob a direção de Sérgio Módena neste sábado, 27. O espetáculo faz parte da programação do Teatro Já e ganhou exibições anteriores em outros canais.

O ineditismo mesmo fica por conta dos solos E Foram Quase Felizes para Sempre, escrito e protagonizado por Heloísa Périssé sob a direção de Fred Soares e supervisão de Mauro Farias com apresentação agendada para o dia 11 de julho, sábado, e Não sou Feliz, Mas Tenho Marido, adaptação de Maria da Luz para o livro homônimo da jornalista argentina Viviana Gómez Thorpe, estrelado por Zezé Polessa sob a direção de Victor Garcia Peralta, e agendado para o dia 25 de julho.

Todas as apresentações são gratuitas e acontecem às 20h30 no canal oficial do Sesc Minas e do Teatro Claro Rio no Youtube, e em seus perfis oficiais no Instagram.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio