Madame Blavatsky - Foto: Divulgação
Madame Blavatsky - Foto: Divulgação

Desde que a pandemia o novo coronavírus congelou o mercado cultural fechando teatros e espaços culturais ao redor do mundo, Mel Lisboa tem se dedicado a explorar seu ofício através de uma série de lives nas quais recitou poemas de nomes como Fernando Pessoa (1888-1935) e Hilda Hilst (1930-2004). Ao lado de Márcio Macena, dissecou o processo criativo do musical Rita lee Mora ao Lado (2014) e com Rafa Maia foi fundo nas obras de Clarice Lispector (1920-1977) e Machado de Assis (1839-1908).

Agora, a atriz estreia sua primeira experiência cênica online com a encenação de Madame Blavatsky, não-peça escrita por Cláudia Barral a partir da obra homônima escrita em 1985 pelo dramaturgo santista Plínio Marcos (1935-1999) e protagonizado pela companheira Walderez de Barros.

Sob a direção do parceiro Márcio Macena, Lisboa entra em cena como uma espécie de hospedeira para o espírito da escritora russa, principal nome da Teosofia, Helena Petrovna Blavatsky (1831-1891) que retorna para esclarecer pontos de sua história que não ficaram muito bem explicados. No processo, outros espíritos surgem para dar cada um sua versão dos fatos.

Compondo a programação do projeto #EmCasacomoSesc, Madame Blavatsky cumpre sessão única no dia 21 de setembro, segunda-feira, às 21h30 com transmissão gratuita pelo canal oficial da rede Sesc São Paulo no YouTube.