Luciana Paes mergulha com charme no universo dramático de Amy Winehouse em cabaré virtual

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Bati a cara”, se queixou Luciana Paes em tom charmoso ao retornar ao violão para interpretar charmosa versão de Some Unholy War, canção composta e gravada pela cantora inglesa Amy Winehouse (1983-2011) naquele que seria o melhor (e último) álbum de sua curta e brilhante trajetória artística, Back to Black (2006).

Entretanto, a despeito do charme e da invariável comicidade, o tom seguido por Luciana Paes Canta Amy Winehouse, show em que a atriz e comediante paulistana dá voz às canções da artista inglesa, foi o drama. Paes não se intimidou com a trágica história de abuso de álcool e drogas e de um relacionamento danoso que calou uma das melhores vozes do século XXI para orquestrar show com ares de cabaré que não traçou paralelos entre a história de Winehouse e da própria atriz.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Embora seja cantora mais interessante do que fizeram soar as interpretações (excessivamente) reverentes das canções registradas pela artista em dois (grandes) álbuns (Frank, de 2003 e o supracitado Back to Black), Luciana Paes optou por registro de cover, o que, embora não tenha dado a real dimensão de seu talento como cantora, valorizou mis-en-cene construída com base não apenas no fio dramatúrgico que conduziu o espetáculo em pouco menos de uma hora, mas também nos arranjos assinados por Danilo Penteado.

Compondo a programação da 24ª edição do Festival Cultura Inglesa dentro do projeto (Re)Versões, Luciana Paes Canta Amy Winehouse enfileirou 11 músicas em repertório sem grandes concessões. Hits como Back to Black e You Know, I’m no Good até marcaram presença na apresentação transmitida no último domingo, 14, e disponível na plataforma de streaming do Festival até o dia 28 de março, contudo foram temas menos conhecidos, como Stronger Than Me e It’s my Party (pescada do repertório de Quincy Jones) que sublinharam o charme do espetáculo.

À vontade no violão (em parceria com o piano de Penteado), Paes fez boa incursão por hits como Valerie, canção da banda inglesa Zutons que Winehouse tomou para si, e Some Unholy War, e tomou ares tropicalistas ao reduzir o mega hit mundial Rehab a simples vinheta dramatúrgica.

Dramaturgia essa que, se não apresenta grandes ambições senão a de utilizar com simplicidade mecanismos da autoficção para promover o encontro da personagem com sua intérprete, serve bem para pontuar temas importantes, como boa sacada ao comparar a estrela britânica a um carro em alta velocidade prestes a bater com a consciência e cumplicidade da plateia.

Paes não busca traçar perfil redentor de Winehouse – e nem sua história e temperamento permitiriam -, mas explorar a cumplicidade das duas histórias. É verdade que, à medida que se desenvolve, o show ganha contornos menos sedutores e mais apáticos, muito menos pelo trabalho da atriz e muito mais pelo esgotamento da história da inglesa, ainda muito recente, presente e explorada.

O show retorna aos trilhos quando Paes foca na construção de uma personalidade própria, que flerta com o autodestrutivo sem jamais abandonar o tom cômico, mesmo que o bloco final, enfileirando versões desossadas de Back to Black, Love is a Losing Game e a anticlimática You’re Wondering Now remetam o contrário.

Enfim, Luciana Paes Canta Amy Winehouse é cabaré que, embora passeie pela armadilha de soar como mero espetáculo cover, resulta charmoso e vai adiante na investigação do repertório de uma das principais vozes da música ocidental no século XXI.

Confira abaixo o repertório apresentado no show registrado no dia 14 de março às 19h:

1- Valerie (Abi Harding/ Boyan Chowdhury/ Dave McCabe/ Russ Pritchard/ Sean Payne, 2006)

2- I Heard Love is Blind (Amy Winehouse, 2003)

3- Stronger Than Me (Amy Winehouse/ Salaam Remi, 2003)

4- It’s my Party (Herb Wiener/ Wally Gold/ John Gluck, 1963)

5- Me And Mr. Jones (Amy Winehouse, 2006)

6- You Know, I’m no Good (Amy Winehouse, 2006)

7- Some Unholy War (Amy Winehouse, 2006)

8- Tears Dry on their On (Amy Winehouse/ Nickolas Ashford/ Valerie Simpson, 2006)

9- Back to Black (Amy Winehouse/ Mark Ronson, 2006)

10- Love is a Losing Game (Amy Winehouse, 2006)

11- You’re Wondering Now (Ruben Anderson, 1964)

Espetáculo disponível on demand no site oficial do Festival Cultura Inglesa até o dia 28 de março.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio