Celebrando centenário de Ruth de Souza, Festival Dona Ruth encerra terceira edição com debates e peças presenciais

Obras sobre indígenas nas metrópoles e investigação sobre a vida no momento da morte compõem a programação

Publicado em 28/10/2021 10:30
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O centenário da atriz Ruth de Souza (1921-2019) foi celebrado de forma tímida em 2021. Dois eventos de pompa, entretanto, relembraram à memória nacional desta que foi a atriz negra pioneira nas artes do Brasil: o lançamento da (esmaecida) biografia assinada pelo jornalista Ygor Kassab, Ruth de Souza: A Menina dos Vaga-Lumes, e a terceira edição do já tradicional Festival Dona Ruth de Teatro Negro.

O Festival, desde seu início, há uma semana, enfileirou espetáculos e debates digitais para discutir o teatro produzido por pessoas pretas e indígenas e os diálogos com a cena contemporânea. Agora, prestes a encerrar suas atividades, no dia 31 de outubro, a produção do evento volta a receber o público com quatro espetáculos agendados em dois teatros da capital.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No dia 30, sábado, o Festival recebe Xawara – Deus das Doenças ou Troca Injusta, espetáculo concebido por Juão Nyn, refletindo sobre as epidemias causadas pelo primeiro contato entre europeus e indígenas. Já no dia 31, domingo, é a vez de Episódio I: Uenda-Congembo (Morrer), produzida e estrelada por Luciano Mendes de Jesus, que enfoca o sentido da vida e da morte nos últimos momentos de uma pessoa.

As duas apresentações acontecem no palco do Teatro João Caetano, na Santa Cruz, zona sul da capital. Já na zona oeste, no palco do Teatro Cacilda Becker, na Lapa, o Festival recebe os espetáculos Yepário e Saberes, concebida e estrelada por Sandra Nanayna especialmente para o festival e narrando, na língua nativa tukano, a vida de quatro pessoas indígenas residindo em grandes metrópoles. A apresentação acontece no dia 30.

Por fim, no dia 31, a atriz Cibele Mateus investiga as fontes do riso ao trabalhar o cenário da diáspora negra em Vermelho, Branco e Preto. Todas as apresentações acontecem às 21h, seguidos de giras de conversas conduzidas pela atriz Clodd Dias e os artistas no palco do Teatro João Caetano, e o jornalista Bruno Cavalcanti no palco do Teatro Cacilda Becker. Os ingressos são gratuitos.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio