Longe do viés ideológico, Regina Duarte pode ser aliada da classe artística no governo

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ao aceitar assumir, ainda que provisoriamente, a Secretaria Especial da Cultura durante o governo de Jair Messias Bolsonaro (sem partido), a atriz Regina Duarte não chegou a pegar a todos de surpresa, visto seu apoio irrestrito ao governo do ex-deputado federal pelo Rio de Janeiro desde o anúncio de sua candidatura a Presidência.

Contudo, da mesma forma que não surpreendeu, não se pode dizer que Duarte tenha seguido um caminho óbvio ao decidir adentrar o governo como uma de suas colaboradoras. Diferente de outros nomes, como Gilberto Gil e Sérgio Mamberti, a atriz jamais teve qualquer ligação com a política ou mesmo com a máquina pública. Nunca foi produtora de seus espetáculos, nem tampouco se envolveu com movimentos culturais ou mesmo sociais.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Diferente do que aconteceu com a atriz inglesa vencedora de dois prêmios Oscar Glenda Jackson, que abdicou da carreira nas artes cênicas para se eleger deputada e depois foi nomeada Ministra do Transporte para, em 2010, mais uma vez, se eleger deputada, Duarte jamais teve qualquer escopo político, sendo ligada basicamente à famosa frase “eu tenho medo”, quando da eleição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 2003.

Contudo, a despeito do já comprovado despreparo da atriz, é interessante notar que Regina Duarte é uma escolha fora dos padrões para compor uma pasta no governo do atual presidente da república. Longe de quesitos ideológicos, a atriz sempre se portou como uma eleitora da direita e ponto final. Trabalhou com atores, autores, diretores, cenógrafos, cinegrafistas, visagistas e toda a sorte de profissionais ligados a esquerda, e jamais se ressentiu disso.

Chegou mesmo a ser uma das vozes contra a censura em plena ditadura militar e, se não aprendeu nada ao interpretar a protagonista da série Malu Mulher (1979-1980), também não se pode dizer que a atriz tenha se aliado ao pensamento da extrema direita, responsável por alçar (e por proporcionar a queda) de Roberto Alvim, o diretor teatral que se mostrou apoiador ainda mais ferrenho do governo Bolsonaro, adentrando com força à luta ideológica. Não é o perfil de Duarte.

É (muito) cedo para dizer ainda, mas a nomeação de Duarte pode (até) ser benéfica para a pasta da Cultura visto que, diferente de seu antecessor, não há em seus discursos até o momento nenhum viés de “guerra cultural”, ou desejo de censurar espetáculos sob o manto do “filtro artístico”. Pelo contrário, a despeito do apoio ao governo de Jair Messias Bolsonaro, Duarte se mostra cada vez menos adepta ao totalitarismo e pode mesmo se comprovar uma aliada do setor na gestão.

Por outro lado, outras hipóteses também parecem se alinhavar à futura gestão da atriz, dentre elas o esvaziamento de poder da pasta, tornando Duarte apenas um rosto para estampá-la. É possível que a atriz siga apenas ordens expressas do alto escalão governamental e seja facilmente manipulável.

É claro que são possibilidades a serem aventadas, mas uma coisa é certa, diferente de Roberto Alvim, Regina Duarte não depende do governo para sobreviver, seja em termos financeiros, seja em termos de prestígio. A atriz conta com quase 60 anos de carreira a seu favor, além do título de “eterna namoradinha do Brasil”. O que quer dizer que ao menor sinal de descontentamento, pode abandonar o barco sem receio.

Basta saber quão corajosa e alinhada à classe artística será Regina Duarte, que não só é figura constante nos palcos, como também é figura querida por boa parte da classe artística. Quem viver… 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio