Rei da dramaturgia punk, Antônio Bivar sai de cena aos 81 vítima da Covid-19

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Saiu de cena na tarde deste domingo, aos 81 anos, o dramaturgo, escritor e diretor teatral Antônio Bivar vítima de complicações do Covid-19. Projetado na década de 1960 com uma série de espetáculos teatrais de contracultura, na contramão do teatro engajado politicamente da época, Bivar assinou títulos que se tornaram clássicos da dramaturgia nacional.

São dele obras como Cordélia Brasil, Alzira Power e Abre a Janela e Deixa Entrar o Ar Puro e o Sol da Manhã, nas quais retratou a opressão feminina e as mudanças de comportamento pelas quais a sociedade passava capitaneada por sua geração.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Contudo, após o sucesso, Bivar decidiu se reinventar enveredando pela música e dirigindo espetáculos de nomes como Maria Bethânia (Drama, Luz da Noite, de 1973) e Rita Lee (Fruto Proibido, 1975).

Com a roqueira, Bivar assinou trabalhos como Radioamador, programa transmitido pela rádio 89 FM em 1986, e TVLeezão, exibido pela MTV em 1991. No teatro, o dramaturgo ainda escreveu outros espetáculos que ganharam boas montagens, como Longe Daqui, Aqui Mesmo (1971), Alice, que Delícia (1987) e As Raposas do Café (1990), último grande texto, que ganhou montagem histórica produzida pelo Grupo Tapa no mesmo ano.

Bivar sai de cena após anunciar aposentadoria e lançar o último volume de suas memórias, Perseverança (2019), narrando o período de 1982 a 1993 quando, obrigado por Rita Lee, comprou seu primeiro imóvel em São Paulo. O dramaturgo entra para a história como um dos principais influenciadores do movimento punk no Brasil, além de ter criado dramaturgia essencial para compreender o surgimento de uma geração que desaguaria na obra de nomes como Miguel Falabella, Mauro Rasi (1949-2003) e Vicente Pereira (1949-1993), Luiz Carlos Góes (1945-2014) e Miguel Magno (1951-2009) e Ricardo de Almeida (1954-1988), entre outros das gerações de 1980 e 1990. 

O dramaturgo estava internado desde 23 de julho no hospital Sancta Maggiore, em São Paulo. Embora estivesse resistindo e dando boas respostas ao tratamento, não resistiu às complicações da Covid-19.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio