Vida e obra de Luiz Melodia serão celebradas em musical em 2021

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Não tivesse saído (prematuramente) de cena aos 66 anos em 04 de agosto de 2017, vitimado de um câncer na medula, Luiz Carlos do Santos, o Luiz Melodia, completaria 70 anos de vida em 2021, ano em que também celebraria 49 anos de carreira iniciada, a rigor, ainda no Morro de São Conrado, no Rio de Janeiro, mas oficializada mesmo em 1972, quando Gal Costa lançou no registro de show Fa-Tal – Gal a Todo Vapor o clássico instantâneo Pérola Negra, composta por Melodia.

A canção ainda nomeou seu primeiro álbum solo, lançado no ano seguinte e dando aval para que o compositor se provasse também um dos intérpretes de primeira linha da música popular brasileira, com obra internacionalmente reconhecida e oficialmente encerrada com a edição de Zerima, último álbum gravado pelo cantor e lançado em 2014.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Toda essa trajetória será posta em cena em 2021 com a estreia de Meu Nome é Ébano, musical de Bernardo Vilhena que celebrará a obra e a vida do autor de clássicos como Juventude Transviada (1975), Estácio, Holly Estácio (1973) e Dores de Amores (1978). Ainda em fase de captação, o espetáculo contará com personagens do time dos “malditos” da música popular, como Wally Salomão (1943-2003) e Jards Macalé, o poeta Jorge Salomão (1946-2020) e o artista plástico Hélio Oiticica (1937-1980).

Entre as canções já confirmadas no roteiro de Meu Nome é Ébano estão Congênito (1976), Onde o Sol Bate e se Firma (1978), Farrapo Humano (1973), Vale o Quanto Pesa (1973) e Presente Cotidiano (1973), lançada por Gal Costa em seu álbum Índia.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio