Gottsha volta a acenar para o mercado fonográfico ao gravar hit de Elton John com Miguel Falabella

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Antes de se sagrar como um dos principais nomes no processo de revitalização do teatro musical no Brasil, ao se associar à dupla de diretores Charles Möeller e Claudio Botelho em espetáculos como As Malvadas (1996), Cole Porter – Ele Nunca Disse que me Amava (2000) e Tudo é Jazz (2004), Sandra Maria Braga Gottlieb era cantora que, a partir do início dos anos 90 com o estouro de canções como No One to Answer e Breakout, passou a ser popularmente conhecida como Gottsha.

A fugacidade da roda viva do mercado, no entanto, levaram a cantora a se descobrir como (boa) atriz com passagens importantes pelo teatro musical e por novelas da Rede Globo. Que pese a produção de shows como Discotheque e Gottsha Canta Carpenters, a artista seguiu caminho inconstante no mercado fonográfico, com a edição em single de gravações especiais para novelas (como a balada Fala, sucesso do grupo Secos & Molhados), entre outras participações em tributos e projetos alheios.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Pois Gottsha quebrará o hiato distante do mercado fonográfico a partir dos próximos meses com a edição de Don’t go Breaking my Heart, balada composta e lançada por Elton John em 1976 em álbum homônimo. No single, em breve disponível nas plataformas digitais, a artista reedita o dueto de John com a inglesa Kiki Dee ao duetar com o ator e diretor Miguel Falabella.

Embora não seja intencional, o lançamento do single servirá também para promover Até que a Morte não nos Separe, comédia musical que Gottsha protagonizará ao lado do ator e autor Cacau Hygino e baseado nas canções de Elton John. O espetáculo ainda não tem data para estrear.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio